Archive for Dezembro 2012

Nota sobre o antropocentrismo ficcional cósmico

Ou
(Os alienígenas também amam?)



            Quando finalmente Avatar chegou aos cinemas e se tornou um dos grandes sucessos de produção daquele ano não apenas por sua fotografia, mas também por seu enredo, alguns pensamentos começaram a germinar lentamente na minha cabeça. Tais pensamentos viriam a ser alimentados com a observação de obras fantásticas nacionais publicadas após o ano 2000, além da leitura extensa dos textos de H. P. Lovecraft, um dos expoentes do gênero horror na literatura do século XX.
            O filme monta um enredo em torno da existência de vida num planeta distante da Terra e dos seres inteligentes que ali habitam. Notadamente, os seres recém-descobertos pela humanidade possuem forma humanoide e muitas de suas relações com os outros seres e entre si (na estruturação da comunidade) são similares às nossas próprias. E é daí que surgem os grandes questionamentos desta nota: nossa estrutura física, psicológica e social é a única que pode dar certo para seres inteligentes? A única forma de vida adequada é a existente no planeta Terra?
            Tendo em vista que a fantasia tem como um dos principais objetivos, se não o maior de todos, criar a dúvida sobre a (in)existência de alguma faceta de seu enredo, pondo assim em cheque as noções sobre a realidade através das observações empíricas do mundo que nos cerca, o gênero fantástico na literatura ou no cinema deve tentar se tornar verossímil tanto dentro do enredo quanto ao apresentar suas premissas para o mundo exterior, com algumas exceções a serem mencionadas após.
            Se for objetivo do autor criar um mundo passível de ser compreendido e aceito pelo leitor como uma possibilidade, deve-se pensar bastante para criar premissas e justificativas aceitáveis na quebra da realidade e ter cuidado para não quebrar tal realidade criada ao longo do texto, seguindo sempre o raciocínio lógico que pertence ao mundo construído, e não ao que o escritor pertence. O efeito de dúvida sobre a veracidade do que é criado se potencializa ainda mais quando não contradiz o que conhecemos e o que vivenciamos, podendo apenas estar à parte da nossa visão, dando ao leitor a noção de que em algum lugar do universo aquilo de fato existe.
            Nisso que falha grande parte da ficção cósmica dos nossos tempos. Não é de hoje que deveríamos saber alguns detalhes importantes. A vida não existe necessariamente da maneira que pensamos e conhecemos. Mesmo dentro da Terra existem formas de vida que não utilizam o metabolismo fotossintético para produzir energia, sendo que pouco tempo atrás foram descobertas bactérias que sobrevivem através do metabolismo de enxofre e ferro, fornecendo assim fortes indícios de que a vida em outros planetas pode existir sem necessariamente seguir os passos conhecidos na Terra.
            Podemos perfeitamente observar tal ideia concebida numa carta de Lovecraft ao seu editor, de nome “Notas sobre a ficção interplanetária”:

“Todas as minhas histórias se baseiam na premissa fundamental de que leis e interesses e sentimentos humanos são desprovidos de qualquer validade ou significado na infinitude do cosmo. Para mim não há nada além de puerilidade em uma história em que a forma humana – bem como paixões e condições e tradições locais – sejam retratadas como nativas a outros mundos e a outros universos.”

            Basicamente, devemos esquecer o que é notoriamente humano ou terrestre. Sentimentos que nos são tão próprios, formatos sociais que surgiram ao longo de nossa história, formatos morfofisiológicos derivados de nosso processo evolutivo. O que é nosso dificilmente será do externo e tal premissa deve ser internalizada durante a criação da ficção cósmica que possui como máxima ser levada a sério (porque permaneço ciente que às vezes a ficção interplanetária é utilizada como ferramenta para explorar outros gêneros), mesmo que conheçamos princípios como a convergência.
            Admitindo tais discussões como pilares para a criação artística de ficção cósmica, e objetivando a criação verossímil e não a criação de cenários para outros gêneros (tal qual aventura e drama), devemos deixar de lado o mar antropocêntrico onde sempre estivemos imersos e nos permitir divagar pelos abismos cósmicos longe da visão puramente humana. Apenas assim, salvo raras exceções, que a ficção interplanetária pode se tornar fantasia interplanetária de fato, quebrando a vaga noção do que é real e irreal e deixando aos leitores dúvidas acerca a existência.

Posted in , , | 3 Comments

Diário de uma separação


Recentemente li Diário de uma separação,  escrito por Catherine Texier. Foi uma leitura extremamente densa e que aproveitei bastante. Por isso vou postar alguns fragmentos do livro (não consegui escolher apenas um):

"Nunca amei sem sentir medo de ser abandonada, nunca amei sem sentir medo de perder o amor. Nunca amei sem, num momento ou outro, segurar, agarrar, como se eu não pudesse acreditar que um homem pudesse ficar comigo de livre e espontânea verdade."

"Se você partir, eu vou pegar sua cabeça e batê-la contra nossa porta da frente até seu cérebro explodir e a massa cinzenta grudar por toda a parede e o teto. Quero ouvir seus ossos quebrando, ver seu crânio se abrir e seu rosto se desfigurar, sangue espirrando, dentes voando, seu cabelo misturado ao interior do seu córtex, talvez você pudesse fazer dreadlocks mais facilmente com essa substância gosmenta.
Ela, a concubina, eu mataria com uma arma, um 38 apontado diretamente para a boceta, mirando bem entre os lábios, a ponta do cano encostando no clitóris e saindo do púbis como se estivesse nascendo da grama negra. Ela estaria deitada de frente, as pernas abertas, pronta para recebê-lo, mas receberia o cano frio do 38. Surpresa! Seria eu fodendo ela, entrando e saindo, entrando e saindo, deixando-a molhada, baby, ela gosta disso, não gosta, ela não gosta de um pau frio duro, seu pau é tão duro quanto o cano de um 38? De jeito nenhum. Eu não usaria um cano curto, mas um cano longo, tão longo quanto o seu pau, entrando e saindo, entrando e saindo, arrogante sabe, muito arrogante, macho pra caralho, seguro, mais macho do que você jamais poderia ser, que homem pode competir com uma porra de um 39, até que ela começasse a gemer, sua cabeça pendendo, seus lábios afastados, você gozando, baby, gozando, toma, puxo o gatilho, BANG BANG BANG, bem dentro dela, da pélvis, dentro do útero, de suas entranhas, vadiazinha, e as paredes do seu estômago explodem e todas as entranhas pulam para fora, os ovários espirram por toda a sua roupa glamorosa Comme des Garçons ou qualquer estilista japonês que ela estiver vestindo, sua vagina estúpida reduzida a um mingau vermelho, borbotões de xarope de fêmea."

"Casos de amor apaixonados são difíceis de morrer. Eles se debatem, murcham e agonizam até o amargo fim. Mas a alegria e o arrebatamento do amor valem a agonia da separação."

Posted in | Leave a comment
Tecnologia do Blogger.

Search

Swedish Greys - a WordPress theme from Nordic Themepark. Converted by LiteThemes.com.